Serviço público: A arte de servir

A etimologia torna dura sua origem, do latim servitium, quer dizer “escravidão, servidão”, ou ainda de servus, “escravo”. Talvez porque o ato de servir remonta aos tempos da monarquia, do império, onde o servir estava condicionado à satisfação das necessidades do soberano e dos seus. A definição no dicionário não se afasta da origem, “prestar serviço”, “ser útil a alguém ou algo”, “ajudar, desempenhar qualquer função”, alguns vão mais além e ampliam o conceito para “atender a um propósito” e é a esta que eu busco acolher.

Para os cristãos, servir é um dos dons espirituais permitidos pelo criador, mas o comum a todas as acepções é que o fruto da ação precisa ser o bem comum, promover satisfação a outrem. Conceito este intimamente ligado à Administração Pública como o conjunto de atividades voltadas ao atendimento das necessidades do coletivo.

Superada a fase das concepções, passemos a falar do serviço público. Não vamos nos ater ao regime jurídico que criou/regulamentou o serviço público, tampouco discutir questões conceituais oriundas da França ou do Império no Brasil. Chamo a atenção para a missão de servir como um propósito. E propósito se define pelo que te motiva a acordar todos os dias, qual a direção que tua vida leva, de onde vem a vibração do que te alegra.

A escolha do serviço público como ofício não pode se resumir unicamente ao sustento de um indivíduo ou família. Talvez seja esta a razão do descrédito da nação quanto ao serviço: “cabide de emprego”, “encostados”, “só tem mal humorado”, “vários para uma mesma tarefa”, “sem compromisso”, “só pela estabilidade”, são tantos os adjetivos endereçados a quem representa a administração pública em quaisquer das suas esferas que muitos já nem se importam mais. Mas eu me importo!

Incomoda-me o fato de que escolher servir ao cidadão não possa ser visto com orgulho. Que a tão sonhada estabilidade tenha dado lugar ao comodismo e ao descaso com o próximo. Irrita-me ouvir que alguém esteve em uma repartição pública e sequer foi ouvido. Constrange-me saber que um cidadão ou uma cidadã foi “empurrado” de sala em sala, porque ninguém se deu ao trabalho de ajudar a resolver o seu anseio. Inquieta-me permanecer tácita diante da inércia de quem não sabe o que é servir.

Não importa se estão cuidando da limpeza, entregando documentos ou decidindo pela nação, desde que sintam-se parte de uma causa e a ela dispense valor. O servidor precisa se aproximar do ser humano, exercer o seu dever com prazer e não como favor ou um fardo. Deve ter a consciência de que escolheu estar ali, que tudo faz sentido mesmo que ninguém perceba. Que o seu propósito se justifica pelo que faz, e não precisa estar em evidência. Isso se chama compromisso. E acima de tudo, não fazer distinção de quem atende.

É evidente que existem fatores determinantes para a manutenção da motivação no ambiente de trabalho, no entanto esta discussão se atém à escolha profissional pelo serviço público. Tornou-se clichê a célebre frase de Confúcio que diz “Escolhe um trabalho de que gostes e não terás que trabalhar nem um dia na tua vida.” Penso que o autor foi mais profundo do que a simples interpretação sobre fazer o que se gosta para que a carga seja leve. Ter prazer naquilo que escolheu como mistér possibilita ao indivíduo compartilhar do seu regozijo em servir.

Um dia um grande conselheiro me disse: “apenas 3% das pessoas se importam com o próximo e desejam de verdade fazer a coisa certa, ainda que tudo indique o contrário, não desista de fazer parte dos 3%”. É preciso acreditar, mesmo que o horizonte não seja tão amistoso. Servir é honroso, é ajudar os que precisam de auxílio, é um privilégio que nos permite com tão pouco, sermos retribuídos com a alegria do outro. Então ofereça o seu melhor, afinal, você escolheu servir!

Kelly C. Lacerda – É Formada em Administração – Universidade Federal de Rondônia. Pós-graduada em Gestão Pública com Ênfase em Controle Externo – Faculdade Internacional de Curitiba – Facinter. Diretora de Parcerias Público-Privadas e Operações de Créditos Nacionais na Secretaria de Planejamento e Gestão – Governo do Estado do Acre

E-mail: adm.kellylacerda@gmail.com