“Novo Aeroporto Internacional de Cruzeiro do Sul é um dos mais modernos do país”, diz Binho Marques

Leia na íntegra o discurso do governador em Cruzeiro do Sul

binho_discurso_foto_sergio_vale_1.jpg

Senhor Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, senhores ministros Nelson Jobin, amigo Paulinho, presidente da Infraero, senador Tião Viana, governador Jorge, deputados federais, deputados estaduais, prefeitos, Dom Mozé Pascones, demais autoridades do Juruá, amigos e amigas.

Junto com o presidente da República – o nosso presidente Lula -, estamos aqui realizando mais uma etapa do sonho de unir os acreanos e integrar a economia do Acre ao Brasil.

Mas Cruzeiro do Sul é quem faz essa festa para nós – porque inaugura uma obra do porte deste aeroporto, lançando outra obra ainda maior: a ponte do Juruá, um novo cartão-postal não só do Acre, mas de toda a Região Norte.

O novo Aeroporto Internacional de Cruzeiro do Sul é um dos mais modernos do país. E com certeza o mais bonito do Brasil.

O presidente Lula já conhecia o projeto deste aeroporto, lançado pelo governador Jorge Viana, em 2006. Mas eu tenho certeza de que aqui, diante do fato concreto, ele deve estar surpreso com a beleza desta obra.

É assim, presidente Lula, que os acreanos exigem que a gente cuide dos recursos que o senhor não cansa de mandar aqui para nosso Estado.

O povo exige que a gente aplique cada centavo com responsabilidade e com carinho. Com eficiência, mas também com capricho.

A beleza amazônica desta obra também representa o compromisso socioambiental da sociedade e do Governo do Acre.

Ontem o presidente Lula esteve em Manaus. Eu acho que foi para nossos amigos do Amazonas não ficarem enciumados com a beleza do novo Aeroporto de Cruzeiro.

Foi bom, porque lá em Manaus, o presidente lançou mais um programa muito importante para a Amazônia, porque valoriza práticas sustentáveis que podem consolidar uma economia de base florestal.

Eu falo do Programa de Compra de Produtos Sustentáveis pelo governo brasileiro.

É um iniciativa para ser seguida por Estados e prefeituras. E que indica para as empresas um ramo de negócios com mercado garantido, inclusive nos países mais ricos do mundo.

Isso me lembra, presidente Lula, que aprender a pescar é melhor que ganhar um peixe.

Com os recursos que vêm para o Acre, a gente cria condições para o povo fazer a boa pescaria. E quando o presidente garante a compra de produtos sustentáveis, é como soltar alevinos de peixe bom nos rios da Amazônia.

Falando em rios, vamos falar de pontes.

Hoje o presidente Lula está aqui com a gente lançando a ponte do Juruá, que tem 550 metros, obras de acesso e de urbanização.

Há algum tempo, talvez fosse impossível sonhar com uma obra desse porte, antes mesmo de a BR-364 estar concluída.

Essa estrada tem desafios previsíveis e imprevisíveis. O inverno deste ano é um exemplo.

Na verdade, nem seria possível pensar na sua conclusão se não fosse o apoio forte do presidente Lula.

Ele já assegurou recursos para todas as pontes necessárias.

Além da ponte do Juruá, garantiu a ponte do rio Tarauacá, de 300 metros; a ponte do rio Envira, também de 300 metros; a ponte do Igarapé Diabinho, de 81 metros; e a ponte do rio Purus, de 407 metros.

Também estão garantidos os recursos para construção do trecho Feijó-Sena Madureira e para a restauração de trechos entre Tarauacá e Cruzeiro do Sul.

De 2007 a 2010, os investimentos na BR-364 somam mais de 950 milhões de reais.

O presidente Lula está fazendo a parte dele. Mas não será fácil a gente fazer tudo que falta em apenas dois verões – o deste e o do próximo ano.

Têm as dificuldades naturais para fazer estradas na Amazônia, coisa que poucos sabem e que a gente vai aprendendo. Mas cada trecho impõe desafios diferentes.

Tem ainda a incompreensão dos burocratas. Tem a covardia de certo tipo de político, que diz que a obra é muito cara ou sem qualidade.

Mas eles não dizem sobre o custo do transporte de cimento, areia, pedra e até máquinas pesadas, que viajam milhares de quilômetros até o local da obra.

Também não dizem quanto às chuvas, que estão caindo até agora, no mês de abril, atrapalhando as obras e danificando uma estrada por mais bem feita que seja.   

Graças a Deus, nós temos um presidente que conhece o Acre.

Mas não foi fácil fazer tudo que já fizemos nesta estrada, incluindo dez pontes nos últimos três anos. Pontes de até 210 metros, como a do Caeté. Ou a do Jurupari, que tem 220 metros e logo será inaugurada.

E não será tão simples terminar em 2010, em 2011.

Mas a estrada de Cruzeiro a Rio Branco é um sonho que vem dos nossos avós, que frustou nossos pais e que nós temos a obrigação de realizar, porque ele tem muito a ver com o futuro de nossos filhos.

Por tudo isso, eu quero dizer algumas palavras ao presidente Lula.

Primeiro, é preciso reconhecer que jamais existiu um presidente da República tão amigo e tão solidário com o povo do Acre.

A sua amizade com o nosso povo vem de muito tempo e por isso é tão verdadeira.

Nos anos 80 o senhor já estava aqui com a gente. Com o Chico Mendes, Wilson Pinheiro, Evair Higino, João Maia e muitos outros.

A gente não tinha deputado. Não tinha prefeitos. Não tinha nem um vereador. Mas a gente já contava com o companheiro Lula.

Quando assassinaram Wilson Pinheiro, sua solidariedade lhe rendeu até um processo nos tribunais do regime militar.

Na campanha de 1990, o Jorge Viana foi para o segundo turno e o senhor só faltou transferir o título de eleitor pra votar aqui, porque praticamente se mudou para o Acre. Foi a Tarauacá, veio aqui em Cruzeiro, andou o Acre inteiro com a gente.

Em 92 o Jorge foi eleito prefeito de Rio Branco. Em 94 a Marina foi eleita senadora. Em 98 a Frente Popular elegeu o Jorge Viana governador e o Tião senador.

Em todas estas lutas o senhor estava com a gente.

Até a primeira Caravana da Cidadania que percorreu o Brasil, o senhor fez questão de começar pelo Acre. Lá da Fronteira com o Peru, em Assis Brasil, quando nem estrada existia.

O senhor não esqueceu isso. Tanto que o seu governo possibilitou a construção da Ponte Brasil/Peru, lá mesmo em Assis Brasil.  E criou as condições para o Peru fazer a Estrada do Pacífico do lado de lá.

O Acre lhe tem como um grande amigo e agradece sinceramente, porque o senhor demonstra essa amizade cada vez mais.

Quando assumiu a presidência, o primeiro ministro anunciado foi do Acre. A nossa  querida senadora Marina Silva, que durante mais de cinco anos ocupou o Ministério do Meio Ambiente.

A Marina, o senador Tião Viana, o Jorge Viana, e muitos acreanos que não são tão conhecidos, até hoje tem a sua amizade, que reflete seu carinho por todo o povo acreano.

Na verdade, presidente Lula, a gente sabe que suas obrigações não lhe permitem ficar aqui com a gente durante alguns dias, talvez semanas, como aconteceu em 90.

Dessa vez, não pra fazer campanha. Mas pra gente poder mostrar o que Governo do PT fez com a sua ajuda. E principalmente com os sonhos e as idéias que o senhor fez a gente acreditar e compartilhar com o povo do Acre.

Se tem um estado onde o jeito petista de governar deu certo, esse estado é o Acre. Isso acontece, presidente Lula, porque nós continuamos seguindo a sua cartilha.

A gente sabe que o senhor tem o país inteiro pra cuidar.

E também sabe que o Acre tem recebido muito do seu governo.

Por isso o Estado não pára: é terminando uma obra como essa, do Aeroporto, e já começando outras, como a ponte do Juruá.

Então pode ficar tranquilo e confiar que seus companheiros aqui governam com decência. O povo sabe da sua ajuda e aqui no Acre o senhor não terá problemas. Terá sempre respeito, gratidão e amizade.

Mas uma coisa a gente quer pedir ao senhor.

Depois de 1o. de janeiro de 2011, quando o senhor deixar a presidência, a gente gostaria que o companheiro Lula viesse passar uns dias aqui no Acre, para conhecer melhor tudo que o seu governo possibilitou a gente fazer aqui.

Eu também não serei mais governador, mas quero ter a honra de levá-lo para conhecer coisas que o senhor fez pelo Acre e que a gente tem muita vontade de lhe mostrar melhor.

Queremos mostrar o Hospital Regional de Cruzeiro do Sul, que atende a toda essa região, inclusive o sul do estado do Amazônas. E no Brasil não existe um hospital 100% público, mantido por um Estado, que funcione com tanta qualidade.

O senhor vai poder ter idéia do que fez pela saúde pública do Acre e das comunidades mais isoladas do Brasil, que chegavam a passar anos sem sequer ver um médico.

Vamos visitar uma escola pública construída com recursos que o seu governo repassou. Pode ser aqui em Cruzeiro, em Rio Branco, mas eu prefiro até seja numa aldeia indígena ou numa comunidade ribeirinha.

Também gostaria que o senhor visitasse uma das escolas profissionais que implantamos para a juventude.

Aí vai dar para entender como o senhor ajudou a gente tirar o Acre do último lugar na qualidade de ensino e colocar entre os dez melhores estados do Brasil, pela avaliação do próprio Ministério da Educação.

Vamos visitar as estradas, as pontes, as obras urbanas que deixaram as cidades do Acre tão bonitas.

Vamos ver o Acre crescendo. E isso não é discurso. É realidade. Porque com sua ajuda estamos fazendo acontecer um projeto de desenvolvimento sustentável.

O Acre tem um Zoneamento Ecológico-Econômico que não foi imposto a ninguém, mas negociado com os setores produtivos, com trabalhadores, comunidades e instituições. E implantado como um pacto da sociedade.

O senhor vai conhecer este Zoneamento Ecológico-Econômico acontecendo e mudando a vida das pessoas, com atividades produtivas nas cidades, no campo e na floresta.

Vamos lá na fábrica de preservativos de Xapuri. Numa indústria de pisos de madeira certificada. Ou no Complexo Agroindustrial de Aves de Brasiléia.

O senhor vai conhecer o que chamamos de PPC – Parceria Público, Privado e Comunitário.

Vamos nas Zonas de Atendimento Prioritário, onde famílias de trabalhadores realizam seu sonho com o programa "Minha Casa, Minha Vida" e têm todos os serviços básicos, da luz ao saneamento – tudo graças as obras do PAC.

Eu não posso garantir que a gente inaugure a BR 364 tendo o senhor como presidente e eu como governador. Mas se isso não acontecer, vai ficar faltando muito pouco.

Então eu posso garantir que vamos viajar de carro daqui pra Rio Branco e de lá para Assis Brasil, vendo o "Luz Para Todos" ligando o Acre de ponta a ponta.

É isso que a gente quer, presidente! Voltar a andar com você por este Acre, mas agora para visitar as comunidades e famílias que estão vivendo a verdadeira inclusão social, graças ao companheiro Luiz Inácio Lula da Silva.

Para finalizar, presidente, eu gostaria de lembrar que nós tivemos um grande amigo em comum: – esse amigo foi Chico Mendes.

Em 2002, eu era candidato a vice do governador Jorge Viana.

E naquela campanha, o senhor disse no nosso programa de televisão que queria ser eleito presidente para pagar uma divida de gratidão com Chico Mendes, fazendo tudo que fosse possível pelo povo do Acre.

Eu certamente não devo falar em nome do Chico. Mas fui amigo dele, tanto quanto o senhor. E também me sinto em dívida com a memória dele.

Hoje eu sou o governador e não sei se estou correspondendo ao legado do Chico.

Mas onde for necessário, eu estou pronto para dizer que o senhor, sim, como presidente do Brasil, está fazendo tudo que pode pelo nosso estado e pelo povo de Chico Mendes.

Muito obrigado, presidente Lula.