Programa Saúde do Homem comemora um ano de implantação no Acre

A maioria das doenças que prejudicam a saúde do homem e causam mortes poderia ser evitada. A prevenção e a procura precoce por atendimento médico são medidas seguras contra o colesterol elevado, diabetes, pressão alta, obesidade, doenças do coração, por exemplo. Estas orientações são intensificadas há um ano no Acre por uma equipe preparada para atender a população masculina por meio do Programa Saúde do Homem, principalmente a que pertence à faixa etária entre 19 e 59 anos. Lançado em julho do ano passado, e implantado em todas as macrorregiões do Estado, o programa se consolida com serviço ambulatorial na área de Urologia e comemora a redução da demanda de cirurgias de próstata para zero.

 

Lançado em julho do ano passado o programa Saúde do Homem se consolida com serviço ambulatorial na área de Urologia e comemora a redução da demanda de cirurgias de próstata para zero  (Foto: Marcelo Torres/Sesacre)

Lançado em julho do ano passado o programa Saúde do Homem se consolida com serviço ambulatorial na área de Urologia e comemora a redução da demanda de cirurgias de próstata para zero (Foto: Marcelo Torres/Sesacre)

 

“Zeramos agora em julho a demanda reprimida para este tipo de cirurgia. Isto é inédito no Acre e no Brasil”, diz o coordenador do programa, médico urologista Mauro Trindade. Cheios de resistência no momento da implantação do programa, hoje os homens estão mais receptivos à abordagem dos profissionais de saúde. O exame do toque retal, que sofria preconceito pelos pacientes, está sendo melhor aceito. Na investigação do diagnóstico são solicitados exames de PSA – Antígeno Prostático Específico – utilizado ainda para monitoramento e controle da evolução do câncer de próstata.

Nas ações itinerantes levadas aos municípios, os profissionais encontraram pacientes com problemas de saúde antigos como hipertensão, diabetes, obesidade, dores abdominais constantes, disfunção erétil, gastrite, lombalgia aguda, hérnia inguinal, hidrocele testicular, síndrome de prostatite crônica ou severa e pacientes portadores de Hepatite C sem tratamento que foram encaminhados para o SAE (Serviço de Atendimento especializado), para posterior tratamento. Ao todo foram realizados nestas ações, em torno de 1.300 mil atendimentos, sem contar com o atendimento oferecido no Hospital das Clínicas durante quatro dias por semana.

Nas ações itinerantes levadas aos municípios, os profissionais encontraram pacientes com problemas de saúde antigos como hipertensão, diabetes e obesidade  (Foto: Marcelo Torres/Sesacre)

Nas ações itinerantes levadas aos municípios, os profissionais encontraram pacientes com problemas de saúde antigos como hipertensão, diabetes e obesidade (Foto: Marcelo Torres/Sesacre)

Sexo frágil – Desde seu mandato como senador, o governador Tião Viana trabalhava para levar o serviço de Urologia para o interior do Acre. Agora, 85% do Estado tem a cobertura do programa. Grande parte da população masculina conhece hoje um urologista. Antes, sem nenhuma porta específica na saúde pública esta população não recebia atenção do sistema. A própria condição sociocultural impedia a busca pelo atendimento de saúde. “O programa está indo a esse homem e dizendo que ele não é o super homem”, esclarece o médico Mauro Trindade.

Ele tem razão. A fragilidade masculina está  nos números. Eles estão vivendo 7 anos a menos em média que as mulheres e representam duas das três mortes de pessoas adultas no país. Das características gerais deste público, e que explica o alto índice de mortalidade, estão o medo de descobrir doenças, não procuram o serviço médico e não seguem o tratamento; estão mais expostos a acidentes de trânsito e de trabalho e situações de violência, além de usar álcool e outras drogas em maior quantidade. O serviço de Urologia do Hospital das Clínicas atende a demanda encaminhada pelas unidades básicas de saúde e pelos municípios.

Como prevenir o câncer de próstata

A Organização Mundial de Saúde orienta que homens a partir de 50 anos devem fazer os exames preventivos de câncer de próstata. Se existe algum caso na família é preciso procurar diagnóstico a partir de 40 anos. A doença, que não apresenta sintomas no início, prevalece mais em negros. No Brasil, 3 milhões de homens têm câncer de próstata. O médico Mauro Trindade afirma que o índice de mortalidade só é explicado pela falta de prevenção.

Entre as dicas para evitar doenças típicas do homem estão a adoção de alimentação o mais saudável possível, evitar fumar e ingerir álcool e praticar exercícios físicos. Procurar o médico regularmente e se submeter aos exames diagnósticos para detecção de doenças também são atitudes de prevenção.