ajuda

Programa Auxílio do Bem deve beneficiar mais de 1.100 famílias em Brasileia e Epitaciolândia

A tarde desta quinta-feira, 29, foi marcada pela entrega dos primeiros cartões do programa de transferência de renda do Estado do Acre, o Auxílio do Bem, para famílias de Brasileia e Epitaciolândia, como um gesto de preocupação com o bem-estar social das pessoas de baixa renda afetadas pela crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus.

A cerimônia simbólica realizada pela Secretaria de Assistência Social, Direitos Humanos e Políticas para Mulheres (SEASDHM), no Centro Cultural de Brasileia, foi o início da entrega do benefício nos dois municípios. Cerca de 700 famílias serão beneficiadas em Brasileia, enquanto em Epitaciolândia, esse número deve chegar a 400.

No geral, a iniciativa contemplará 18.880 famílias, nos 22 municípios acreanos, em vulnerabilidade socioeconômica. Foto: Odair Leal/Secom

No geral, a iniciativa contemplará 18.880 famílias, nos 22 municípios acreanos, em vulnerabilidade socioeconômica, que ainda não foram beneficiadas com nenhum programa de transferência de renda ou assistências previdenciárias, como o Bolsa Família, Auxílio Emergencial e seguro desemprego.

Cada beneficiário do Auxílio do Bem receberá R$ 450 divididos em três parcelas fixas mensais de R$ 150. Além de colaborar com a proteção social e segurança alimentar de milhares de famílias, o governo do Estado contribui com o fortalecimento da economia local ao injetar R$ 9,5 milhões nos próximos meses.

Ao todo, cerca de 700 famílias serão beneficiadas em Brasileia, enquanto em Epitaciolândia, esse número deve chegar a 400. Foto: Odair Leal

Segundo a titular da SEASDHM, Ana Paula Lima, 15 municípios acreanos já estão com famílias sendo contempladas e o trabalho de cadastro ainda está sendo realizado em todo o Acre.

“Esse é um programa do Estado feito em concordância com os municípios, o cadastro é feito nos centros de referência de assistência social [Cras] e as famílias que se enquadram nos critérios podem ser beneficiadas. Procurem os centros que eles já estão orientados para receber essas pessoas”, destaca a secretária.

Para Laura Braga e os três filhos, o auxílio do estado chegou no melhor momento possível. Foto: Odair Leal/Secom

Beneficiada e carregando a filha mais nova de apenas dez meses no colo, Laura Braga foi uma das primeiras a receber o Auxílio do Bem na região. Com a vida bastante impactada no último ano pela pandemia de Covid-19 e tendo mais dois filhos para cuidar, ela lamenta as dificuldades burocráticas que não a permitiram nem mesmo receber outros benefícios federais, transformando o Auxílio do Bem num verdadeiro alívio para os próximos dias.

“Não foi fácil pra ninguém esse período todo da pandemia. E eu agradeço demais por ter recebido esse cartão, porque eu não consegui o Auxílio, perdi o Bolsa Família e quando fui lá no Centro tentar de novo, me ofereceram o Auxílio do Bem e eu não tenho como agradecer neste momento que tudo está mais difícil”, conta Laura.