Prêmio Ministério Público de Jornalismo encerra Semana de Comunicação

Premiação encerra Semana de Comunicação (Foto: Diego Gurgel/Secom)

Com o tema “Transformando cidadania em notícia”, o Ministério Público do Acre realizou na noite desta sexta-feira, 24, a cerimônia da sétima edição do Prêmio de Jornalismo, em Rio Branco.

O evento de premiação encerrou a II Semana de Comunicação do Acre, que teve início na última terça-feira, 21, e foi promovida pelo Sindicato dos Jornalistas do Acre (Sinjac), governo do Estado, por meio da Secretaria de Comunicação (Secom), MP/AC e Universidade Federal do Acre (Ufac).

O título de menção honrosa foi concedido ao repórter da TV Aldeia, que integra a Rede Pública de Comunicação do Acre, Eduardo Gomes, pelo trabalho que abordava a acessibilidade.

O terceiro lugar ficou por conta do jornalista Tião Maia, com a matéria “Justiça: antes tarde do que nunca”, pelo jornal Página 20. A segunda premiação foi dada à Luciana Teixeira, com a matéria “Musicalizando com amor”, pela TV Gazeta. E o jornalista Resley Saab foi o vencedor da noite, com a matéria “Meninos do tráfico, na ausência da família o herói é o bandido”, pelo jornal Opinião.

Em 2016, o Opinião também foi campeão do prêmio e em 2015 também esteve entre os três primeiros lugares. “O sentimento que tenho hoje é de gratidão pelo reconhecimento do nosso trabalho, que envolveu uma equipe de muitos profissionais da fotografia. Estamos muito felizes em poder levar novamente esse reconhecimento para casa”, comemorou Resley.

Desde 2010, a premiação vem sendo realizada com o intuito de reconhecer a importância da atuação da imprensa acreana, sobretudo com o objetivo de valorizar os melhores trabalhos jornalísticos e acadêmicos relacionados às ações da instituição.

Na oportunidade, o editor do Jornal Extra Fábio Gusmão, que esteve na Semana de Comunicação e foi um dos jurados do prêmio, destacou: “O prêmio celebra nosso trabalho, mas o verdadeiro sentido do jornalismo é que todos os dias temos o desejo ainda maior de contar histórias”.

Mais de 100 trabalhos foram inscritos nas áreas de categorias jornalismo impresso, telejornalismo, radiojornalismo, webjornalismo, fotojornalismo e destaque acadêmico. Vale ressaltar que as matérias submetidas à avaliação da comissão julgadora foram veiculadas entre janeiro de 2016 e o início de março deste ano.

O procurador-geral do Ministério Público Oswaldo Albuquerque pontuou: “O objetivo do prêmio, de fato, é transformar a cidadania em notícia, inserindo o olhar jurídico sob a perspectiva de reflexão acerca da realidade”.