Natal no Centro Socioeducativo Aquiry aproxima as famílias

Os centros socioeducativos do Estado se preparam durante esta semana para as festividades referentes ao Natal. A Unidade Aquiry, localizada em Rio Branco, iniciou as confraternizações nesta terça-feira, 17, para todos os adolescentes privados de liberdade e para os familiares.

Uma estrutura foi montada no local para receber os visitantes com a colaboração das equipes de segurança, pedagógica, técnica e administrativa. Políticos, autoridades e parceiros do Instituto Socioeducativo do Acre (ISE) fizeram presença, além de contribuírem com doações para a realização das atividades.

Familiares lotaram o espaço para confraternizar o Natal com os adolescentes (Foto: Brenna Amâncio)
Familiares lotaram o espaço para confraternizar o Natal com os adolescentes (Foto: Brenna Amâncio)

O evento contou com apresentações do coral de Natal e algumas peças teatrais. Origamis, que são objetos artesanais feitos com papel dobrado, foram confeccionados pelos socioeducandos e se tornaram presente para as famílias.

Segundo a empregada doméstica Cristina da Silva, 39, mãe de um adolescente em conflito com a lei, a sensibilidade da equipe Aquiry é uma prova de humanidade. “A atividade contribui para o desenvolvimento do lado bom deles. Tenho fé que quando o meu filho sair daqui, tudo será diferente e melhor”, almeja.

Origamis confeccionados pelos socioeducandos foram entregues às famílias (Foto: Brenna Amâncio)
Origamis confeccionados pelos socioeducandos foram entregues às famílias (Foto: Brenna Amâncio)

O socioeducando Antônio (nome fictício), 19, entrou na unidade quando ainda era menor de idade. Durante o evento, o rapaz se emocionou com a presença dos pais. “Eu me sinto culpado pelo sofrimento deles. Agradeço por nunca terem me abandonado, apesar dos meus erros”, desabafa.

De acordo com o presidente do ISE, Henrique Corinto, despertar sonhos e esperança nos adolescentes também é socioeducar, mas isso só é possível com a presença da família. “Eles precisam se sentir acolhidos quando voltarem para casa, diminuindo as chances de reincidência no sistema”, aponta.