meio ambiente

Governo realiza monitoramento de queimadas e qualidade do ar

O Governo do Estado realiza o monitoramento das queimadas na Amazônia Legal e no Acre, e produz documento com detalhes sobre o monitoramento de seca, risco de fogo, focos de calor, acompanhamento da poluição atmosférica e qualidade do ar. Os relatórios são elaborados diariamente pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), por meio da Sala de Situação de Monitoramento Hidrometeorológico e podem ser acessados no site da Sema (sema.ac.gov.br).

De acordo com a diretora executiva da Sema, Vera Reis Brown, o monitoramento de queimadas urbanas é de responsabilidade dos municípios, mas o boletim com as informações do Estado é importante para subsidiar a tomada de decisões dos gestores municipais. “Dentro do Acre, monitoramos todos os municípios, indicando os focos de queimadas por classe fundiária, as áreas municipais com maior índice de degradação por quilômetro quadrado, a situação das unidades de conservação e o risco de fogo”, disse.

No relatório desta quinta-feira, observa-se o acumulado de focos de queimadas na Amazônia Legal. De 1º de janeiro deste ano até ontem, 6 de maio, foram registrados 7.407 focos de queimadas, segundo o Satélite de Referência Aqua/Tarde, dos quais 53.4% localizavam-se no estado do Mato Grosso (3.959), 22.2% em Roraima (1.642) e 7.5% em Tocantins (559). O Acre ocupa o 8° lugar no ranque, com 21 focos de queimadas e 0.3% do total registrado. Os dados são do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC/INPE).

Gráfico aponta o acumulado de focos de queimadas na Amazônia Legal. Imagem: Sala de Situação / Sema.

No Acre, os municípios de Mâncio Lima, Rodrigues Alves, Tarauacá e Cruzeiro do Sul foram os que apresentaram o maior número de focos acumulados de janeiro até agora. “Os municípios de Mâncio Lima e Rodrigues Alves registraram o maior número de focos por quilômetro quadrado por isso eles tornam-se prioritários para monitoramento e ações de combate e controle de queimadas e incêndios florestais”, explicou Vera Reis.

Os municípios de Mâncio Lima, Rodrigues Alves, Tarauacá e Cruzeiro do Sul foram os que apresentaram o maior número de focos acumulados de janeiro até agora. Imagem: Sala de Situação / Sema

Não há registro de focos de queimadas, até o presente momento, nas unidades de conservação, mas segundo o relatório, o risco de fogo mínimo e baixo é previsto em boa parte do estado do Acre. O risco médio é previsto em áreas isoladas no Oeste e Leste do estado e o risco alto e crítico é previsto para áreas de influência do Leste, com destaque para pontos isolados das regionais do Alto e Baixo Acre.

Mapa mostra previsão de risco de fogo Imagem: Sala de Situação / Sema

Com relação à concentração de material particulado, o município de Rio Branco atingiu os maiores índices, chegando a 42,41 microgramas por metros cúbicos no sensor localizado na sede do Ministério Público, no centro da cidade.

As leituras sobre a qualidade do ar foram obtidas através de equipamentos disponibilizados pelo Grupo de Estudos e Serviços Ambientais da Universidade Federal do Acre (Ufac), parte da Rede de Monitoramento da Qualidade do Ar estabelecida pelo Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), cujos dados podem ser acessados no www.purpleair.com.

Com relação a concentração de material particulado, o município de Rio Branco atingiu os maiores índices Imagem: Sala de Situação / Sema.