Governo e Dnit avaliam BR-364

Tião Viana e Edson Giroto seguem juntos para Cruzeiro do Sul para vistoriar a rodovia (Foto: Sérgio Vale/Secom)
Tião Viana e Gustavo Andrade de Sá seguem juntos para Cruzeiro do Sul para vistoriar a rodovia (Foto: Sérgio Vale/Secom)

O diretor executivo do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Gustavo Andrade de Sá, chegou ao Acre nesta sexta-feira, 3, para uma agenda de vistoria da BR-364, entre Cruzeiro do Sul e Feijó, com foco num projeto de recuperação. O governador Tião Viana o recepcionou no aeroporto de Rio Branco e realizou uma apresentação sobre a história da rodovia no Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), antes de embarcarem para Cruzeiro do Sul.

O prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre, que durante parte de sua carreira foi engenheiro responsável pelo Departamento Estadual de Estradas de Rodagem, Hidrovias e Infraestrutura do Acre (Deracre), coordenou a apresentação. “Essa rodovia é a espinha dorsal do Acre, ligando mais de 80% da população do Estado”, destacou.

Marcus Alexandre disse que BR-364 é espinha dorsal do Acre, ligando mais de 80% da população do Estado (Foto: Sérgio Vale/Secom)
Marcus Alexandre disse que BR-364 é a espinha dorsal do Acre, ligando mais de 80% da população do Estado (Foto: Sérgio Vale/Secom)

Com uma região formada por solo sedimentar e uma malha hidrográfica gigantesca, sem a existência de rochas essenciais como a brita, a BR-364 no Acre é considerada um dos maiores desafios de engenharia na Amazônia. A rodovia começou a ser aberta em 1968 pelo Exército, e de 1984 a 1994 não houve nenhum investimento para manter sua trafegabilidade.

Aproximadamente 15 anos foram necessários para construir os principais trechos, e a necessidade de recuperação é constante. Somente em 2011 a rodovia passou a ficar aberta durante todo o ano, não fechando mais no período de chuvas.

Ainda segundo Marcus Alexandre, o investimento médio da rodovia é de R$ 2 milhões por quilômetro, num projeto que também exigiu uma logística incomparável na aquisição de insumos, muitos vindo do Amazonas, Rondônia, Mato Grosso e Goiás, principalmente de balsa, em viagens que duravam até 42 dias pelos rios da região.

O governador Tião Viana completou: “Tem sido um esforço muito grande a integração do Acre”.

O diretor Gustavo de Sá ficou bastante surpreso com os desafios de engenharia enfrentados na construção da rodovia e ressaltou: “Eu vou entregar todo esse material para o ministro dos Transportes [Antônio Carlos Rodrigues] e todos os órgãos auditores, porque é necessário entender bem esse desafio que vocês enfrentam”.

Após reunião no aeroporto, equipe embarcou para Cruzeiro do Sul (Foto: Sérgio Vale/Secom)
Após reunião no aeroporto, equipe embarcou para Cruzeiro do Sul (Foto: Sérgio Vale/Secom)