Governo amplia oferta de cursos de educação profissional

Dulcilene hoje é uma das mediadoras do IDM (Foto: Angela Peres/Secom)
Dulcilene hoje é uma das mediadoras do IDM (Foto: Angela Peres/Secom)

O Instituto Dom Moacyr (IDM), implantado no Acre com o objetivo de oferecer formação profissional e técnica, continua apresentando números satisfatórios para o Estado. A ampliação da capacidade de oferta dos cursos é uma das conquistas da instituição, que tem mudado a realidade das pessoas beneficiadas com a profissionalização. Para este ano, a estimativa é que sejam oferecidas 27 mil vagas, por meio do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).

As qualificações têm carga horária de, no mínimo, 160 horas e preparam os alunos para áreas diversificadas. “A educação profissional possibilita que preparemos as pessoas para desenvolver habilidades múltiplas para o mercado de trabalho, para que elas encarem qualquer área”, explicou o presidente do IDM, Marco Brandão.

O sucesso profissional de muitos alunos beneficiados com os cursos é prova de que as políticas públicas voltadas à educação profissionalizante estão surtindo efeitos cada vez mais positivos nesse cenário. Despertar a consciência empreendedora é uma das apostas do governo para fomentar o crescimento de pequenos negócios no Estado.

Marco Brandão fala da ampliação de vagas para os cursos (Foto: Angela Peres/Secom)
Marco Brandão fala da ampliação de vagas para os cursos (Foto: Angela Peres/Secom)

José Ney Araújo hoje colhe os frutos de sua dedicação ao curso de churrasqueiro. “Tudo começou como uma brincadeira porque eu sempre gostei de cozinhar e então fui fazer o curso, mas nunca pensei que fosse dar tão certo assim”, conta.

Depois de se destacar na turma, Ney abriu o seu próprio negócio e já vai se mudar para um espaço maior. “Esse é um incentivo do governo que possibilita uma visão de empreendedorismo pela qualidade técnica que oferecem”, completou.

Em parceria com a Secretaria de Pequenos Negócios, o IDM também mudou a vida de Dulcilene Vieira de Souza. Depois de participar do curso de costureira, recebeu uma máquina de corte e costura para complementar a renda da família e hoje sonha em ampliar o negócio para receber melhor a clientela. Outra conquista foi tornar-se uma mediadora dos cursos da instituição. “É uma renda que ajuda a minha família e que me faz incentivar as minhas educandas a não desistirem porque, um dia, estive no lugar delas”, frisou.