Estratégia de ensino

Educação utiliza criatividade e planejamento em tempos de pandemia

Desde o dia 17 de março, as aulas presenciais foram suspensas no Acre em decorrência da quarentena decretada pelo Governo do Estado por conta da pandemia do novo coronavírus. Mas isso não tem sido empecilho para que a Secretaria de Educação, Cultura e Esportes (SEE) dê continuidade às atividades e ações voltadas ao processo de ensino-aprendizagem dos alunos.

Como explica a diretora de Ensino da SEE, professora Denise dos Santos, desde o início da quarentena houve uma preocupação em desenvolver um plano de ação para a continuidade das atividades, agora de maneira não presencial. Esse plano foi enviado e devidamente aprovado pelo Conselho Estadual de Educação (CEE).

Desde março as aulas presenciais estão suspensas Foto: Arquivo/SEE.

A partir desse planejamento da SEE, as escolas realizaram a implementação do plano, tudo com a orientação dos técnicos da Secretaria. “É um trabalho coletivo, em que cada uma das pessoas envolvidas tem uma parcela de responsabilidade e isso é importante para que a gente possa ter êxito em nossas ações”, explica.

Um dos objetivos dessas ações pós-pandemia, explica a professora, é manter o vínculo com os alunos e assegurar que eles tenham acesso aos conteúdos necessários dentro do processo de ensino-aprendizagem. Com isso, se consegue minimizar os prejuízos ocasionados pela suspensão das aulas presenciais.

A partir desse planejamento, foi realizada uma formação com as equipes gestoras e já no mês de abril se iniciou as atividades não presenciais com os alunos. Com isso, a utilização de ferramentas em Educação a Distância (EaD) começaram a ser utilizadas para aquelas que têm acesso a internet.

O plano de ação estabeleceu um cronograma, definiu o que seria trabalhado, como seria o contato com os alunos, quantas vezes o professor iria interagir com esses alunos, como seria esse contato, quantas vezes ele iria enviar o material a ser trabalhado e como ele iria receber de volta esse material.

“Esse plano está sendo muito útil para as escolas que tem acesso a internet e que conseguem utilizar esse conjunto de ferramentas digitais que auxiliam no desenvolvimento das atividades pedagógicas não presenciais”, afirmou.

Aprovação do Conselho

O plano de ação da SEE foi enviado ao Conselho Estadual de Educação (CEE), que depois de debater amplamente este plano, baixou a Resolução 142, que dispõe sobre a flexibilização dos dias letivos e a orientação de que a carga horária anual determinada pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) fosse cumprida, ou seja, estipula-se o mínimo de 800 horas/aulas.

Conselho aprovou atividades remotas Foto: cedida

“Devido a todo esse cenário de pandemia mundial, pleiteamos junto ao Conselho de Educação, nesse mesmo plano, computar a carga horária das atividades pedagógicas não presenciais dentro do limite permitido por lei. Então, o Conselho fez a leitura do documento e devolveu com algumas recomendações, mas deu parecer favorável ao cômputo de 20% da carga horária de atividades não presenciais”, disse.

Monitoramento das ações

Para que o plano de ação da SEE saia de maneira a satisfazer as necessidades dos alunos e das escolas, toda uma assessoria técnica e pedagógica está sendo realizada, além da realização de webconferências, durante as quais são realizadas orientações e sugestões de atividades que podem ser desenvolvidas.

“Temos os registros, as evidências, temos os instrumentos de controle das ações que estão sendo desenvolvidas e a gente tem um percentual muito bom de escolas já realizando esse trabalho”, destaca.

Para a professora Denise, entretanto, é preciso olhar para as peculiaridades da educação estadual. Cita como exemplo a educação rural, onde as escolas de difícil acesso ainda não tinham iniciado o ano letivo, o que iria acontecer no final de março, mas com o advento da pandemia acabou não acontecendo.

“Temos todo um plano de ação para essas escola e as famílias, os alunos podem ficar tranquilos que quando a gente retornar às nossas atividades, à normalidade, eles não serão prejudicados, porque já estamos atuando”, enfatizou a diretora.

Videoaulas

Uma ação importante dentro das atividades não presenciais que está sendo preparada pela equipe técnica da SEE diz respeito às videoaulas. Ela explica que já existe uma equipe trabalhando nas gravações e elas, em breve, serão exibidas na TV aberta para todos os alunos.

Além das videoaulas, SEE também disponibiliza material impresso às escolas Foto: cedida

“As aulas serão exibidas aos nossos alunos e também a todos aqueles que tiverem interesse, uma vez que será transmitida a partir do sinal de TV aberta a todos aqueles quiserem ter acesso”, disse.

Além da produção desse material, a  SEE também trabalha no fornecimento de material impresso aos alunos que não tem acesso nem as ferramentas digitais e nem ao canal de TV.

“A gráfica da SEE está trabalhando a todo vapor, não paramos, porque aquelas escolas que não tem com fazer uso do EaD por intermediação tecnológica, tem recorrido ao livro didático, às apostilas e ao material impresso em geral e estamos dando todo o suporte às nossas escolas”, explicou.

Via rádio

Já para os alunos da educação rural, a Secretaria de Educação está elaborando programas a serem transmitidos via rádio. “Isso vai ser um ganho importante para os nossos alunos e também para os nossos professores”, esclarece.

Antes de lançar esses programas, tanto na TV quanto no Rádio, será realizada uma campanha de ampla divulgação não apenas para informar quando essas aulas iniciarão, mas também para orientar os alunos quanto ao cronograma de transmissão das aulas.

“A partir desse conjunto de informações e orientações, as famílias, os alunos, poderão reservar um tempo em suas rotinas diárias para assistir e/ou ouvir essas aulas e depois que elas forem veiculadas serão disponibilizadas em nossa plataforma Educ para os alunos que tiverem acesso à internet, podendo assistir quantas vezes julgarem necessário”, disse.

Curso em ferramentas digitais

Para adequar e preparar os profissionais da Educação a esse novo momento, a SEE ofereceu um curso em ferramentas digitais. “A gente precisa preparar o nosso profissional para que eles possam adquirir novos conhecimentos e melhorar as suas aulas”, destacou.

Secretaria disponibiliza cursos para gestores e professores durante a pandemia Foto: Mardilson Gomes.

O curso foi disponibilizado no mês de abril, mas ainda se encontra na plataforma Educ, que é a plataforma digital utilizada pela SEE, para quem tiver interesse.

“O trabalho que temos feito é para que o aluno  tenha acesso aos conteúdos e mantenha o vínculo com a escola e com os professores e, com isso, não tenha prejuízos maiores do que já tem devido ao afastamento das aulas presenciais, uma maneira de minimizar os efeitos da pandemia”, fez questão de dizer.

Curso de avaliação escolar

Outro curso de formação que está sendo realizado pela SEE neste período de pandemia é o de avaliação escolar, oferecido também por meio da plataforma Educ. A partir desse curso, a avaliação, no período de atividades remotas, é feita de maneira qualitativa e não quantitativa.

Realizar avaliações qualitativas é orientação dos órgãos normativos das políticas educacionais. Isso significa que a preocupação deve estar voltada à aprendizagem do aluno e não na atribuição de um valor ao seu conhecimento.

A avaliação quantitativa, explica a professora Denise, será feita no retorno das atividades presenciais. “Mas a avaliação que deve ser referência dos professores nesse período de atividades não presenciais é a avaliação qualitativa, aquela que faz o registro dos processos das atividades em andamento e propõe as intervenções com o objetivo que o aluno assimile e aprenda os conteúdos”, faz questão de explicar.