Empreendedorismo musical

Cadeia produtiva da música ganha destaque na Expoacre

Umas das cadeias culturais que a cada edição da Feira de Negócios do Acre (Expoacre), ganha mais espaço e consolida os seus trabalhos, é a música. Cerca de cinco empreendimentos apresentam seus produtos e serviços.

O governo do Estado em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micros e Pequenas Empresas (Sebrae/AC) investem em espaço onde contém estúdio de gravação e ensaio, espaços para fabricação e venda de instrumentos musicais, além de artigos e acessórios ligados ao setor.

“Observamos que diversas áreas de negócios trabalham diretamente com algum serviço ligado a música, demostrando que ela faz parte do pequeno negócio. Nesse sentido, unimos os expositores em um local para evidenciar a grandeza desta cadeia produtiva”, destaca o técnico do Sebrae, Alex Lima.

Com um trabalho voltado para a sustentabilidade e a exclusividade em seus produtos, o luthier Bruno Sá, atua na construção e manutenção de instrumentos musicais, o que tem lhe rendido bons frutos desde que apostou no empreendimento.

O luthier Bruno Sá controi instrumentos musicais a partir do reaproveitamento da madeira (Foto: Júnior Aguiar/Secom)

“O apoio do governo do Acre e do Sebrae tem impulsionado desde 2012, quando iniciei a minha participação na Expoacre, com a promoção e principalmente com a venda dos meus produtos. E neste ano, ampliei o meu negócio de prestação de serviços de sonorização”, relata Sá.

O expositor Igor Alves, que há quatro anos possui um empreendimento n  ramo de artigos musicais, camisetas, livros, cds e produção de eventos, comenta que, desde que reguzlarizou a sua empresa, em 2014, participa consecutivamente da feira de negócios.

“Neste espaço, reforço as minhas vendas, promovo os materiais da minha loja e as obras musicais de artistas locais, com isso a Expoacre, aumentou a visibilidade a e aceitação dos meus serviços no mercado cultural”, ressalva Alves.

O empreendedor Igor Alves trabalha há 4 anos com artigos e diveros acessórios ligado à música, games e cinema. (Foto: Júnior Aguiar/Secom)

O local reservado ao setor musical tem chamado a atenção de todos que passam pela feira. Um dos curiosos era o jovem Heitor Damásio, de 11 anos, fã de Rock N’ Roll e aproveitou a oportunidade para conhecer a sonoridade da guitarra.

“Apreendi a gostar de música com o meu pai. Daí passei a ouvir bandas como Guns N’ Roses, Linkin Park, Legião Urbana e outras. Quero um dia ter um instrumento e tocar as músicas que gosto”, disse.

O jovem Heitor Damásio faz pose com uma guitarra construída por luthiers acreanos. (Foto: Júnior Aguiar/Secom)